Skip to content

Dachser antecipa tendências de mobilidade do futuro

Especialistas da multinacional analisam opções alternativas no campo da condução e, ainda, a sua aplicação ao nível da rede logística, desenvolvendo, para tal, conceitos alternativos de transporte.

Uma “economia neutra em termos de clima” até 2050. É esta a meta anunciada, recentemente, pela União Europeia como parte do “Acordo Verde”. No entanto, para que tal seja possível, será necessário reestruturar e reorganizar o modelo de transporte e de tráfego, que representa, atualmente, um quinto de todas as emissões de gases com efeito estufa (GEE) em países desenvolvidos, como é o caso de Portugal.

Para dar resposta às complexas exigências que a mobilidade climática impõe, a Dachser – paralelamente aos esforços de gestão ambiental já implementados e ao projeto de inovação City Distribution (distribuição urbana), iniciado há vários anos – está a intensificar a investigação no que às tecnologias alternativas no campo da condução e dos combustíveis diz respeito.

Soluções de transporte para longa distância

Apesar de, no caso do transporte de longa distância, não existirem, ainda e no imediato, soluções totalmente sustentáveis e sem emissões, a Dachser acredita que o futuro pertencerá ao motor elétrico. A este nível, refira-se que a multinacional tem já em circulação – em novos projetos logísticos de distribuição urbana, como, por exemplo, nas cidades alemãs de Estugarda, Berlim ou Hamburgo – os primeiros camiões movidos a baterias elétricas.

Em distâncias superiores a 200 km, estes veículos são, contudo, ainda bastante limitados. Para Andre Kranke, Department Head R&D Research & Innovation Management da Dachser, “o motor Diesel assume-se, ainda, como o sistema mais utilizado e com a melhor relação custo/benefício no transporte de mercadorias, situação que não se alterará, provavelmente, a médio prazo”.

O responsável enfatiza, ainda, as particularidades do Diesel, “que possibilita conduzir longas distâncias”, assim como a tecnologia altamente refinada, “capaz de cumprir os cada vez mais rigorosos padrões da União Europeia”.

Destaque-se que, combinados com os biocombustíveis de segunda geração, os motores Diesel chegam a alcançar, agora, reduções significativas de emissão de gases com efeito estufa, o que lhes confere um importante papel na proteção ambiental.

Tendo em conta esta realidade, Kranke aconselha que “do ponto de vista ecológico, os responsáveis pelo planeamento do tráfego devem analisar a aprovação de rotas adicionais para camiões mais longos na Europa e autorizações para operações de transporte transfronteiriças”.

Propulsores a gás natural: potencial por explorar

Relativamente ao recurso a propulsores a gás natural, Stefan Hohm, Corporate Director Corporate Solutions, Research & Development da Dachser, defende que “se trata de uma solução que não oferece benefícios climáticos significativos, uma vez que estamos a falar de pequenas diminuições ao nível da emissão de CO2 em comparação com um camião Diesel moderno, dependendo da tecnologia usada”.

O responsável acrescenta, ainda, que “o gás natural comprimido e o gás natural liquefeito são considerados tecnologias intermédias cuja viabilidade económica e adaptação ao uso diário variam muito na União Europeia e, por isso, devem ser avaliadas caso a caso”. Por seu turno, Andre Kranke dá conta que “ainda estamos longe de ver a produção em larga escala de camiões movidos a células de combustível substituir a produção de camiões Diesel”.

Até agora, apenas a Mercedes-Benz pretende implementar uma estratégia específica de tecnologia à base de células de combustível. A empresa prevê lançar camiões com células de hidrogénio em 2029. A partir de 2039, a ideia é que todos os veículos comerciais que saiam das suas linhas de montagem, em Estugarda, sejam movidos por células de combustível de hidrogénio ou por baterias.

A concluir, refira-se que a Dachser é dos maiores grupos privados do mundo na área da logística e transporte de mercadorias, empregando cerca de 30.609 colaboradores em 399 filiais, espalhadas por 44 países.

A multinacional alemã está presente no mercado ibérico através das linhas de negócio Dachser European Logistics – dedicadas ao transporte terrestre e serviços logísticos integrais – e Dachser Air & Sea Logistics (ASL), responsável pelos transportes aéreo e marítimo, oferecendo, ainda, todos os serviços de valor acrescentado inerentes a estas áreas de negócio.

Na Europa, a Dachser posiciona-se no transporte rodoviário como uma solução única para todas as necessidades logísticas orientada para a exportação. Os seus serviços incluem armazenamento e soluções de distribuição, entregas B2C, serviços específicos de carga parcial e completa e serviços especializados para a indústria química e bricolage, decoração e jardinagem.